Tudo começou em 2004 com Samwaad – Rua do Encontro. Algumas boas críticas nos levaram até o Sesc Belenzinho para conferir o que o Ivaldo Bertazzo tinha aprontado. Saímos de lá bobos com o que vimos, um espetáculo de inspiração indiana, em que os dançarinos eram jovens de periferia, recrutados e treinados pelo Bertazzo. Uma beleza.
Depois veio o Milágrimas, com base na dança e canto africanos, delícia de espetáculo. Com esse histórico, quando soubemos que estava em cartaz o Mar de Gente, não tivemos dúvidas e compramos os ingressos.
A dança é para mim um tipo de arte em que não é necessária muita elocubração para sentir e gostar (ou não). Passa pela intuição, direto ao espírito, e nem tanto pelo intelecto ou razão. Apesar disso, o espetáculo apresenta muitas referências e um enredo para reflexão sobre a humanidade e seus caminhos futuros.

São abordados temas diversos, como a evolução humana, o viver em sociedade, as festas e as guerras, a sedução e o lado sombrio, a espiritualidade. Esta última abre e fecha o espetáculo: o início lembra devotos em Varanasi, com as escadarias do cenário representando os ghats (na minha interpretação…), e o final também tem origem oriental, mas não vou estragar a surpresa para quem pensa em ver o espetáculo. Só digo que é lindo.
Apesar das referências orientais, as músicas são inspiradas na Europa Oriental: Hungria, Bulgária, Rússia, música cigana. As trilhas-sonoras são sempre um show à parte…
O projeto de Bertazzo funciona melhor ainda nas coreografias coletivas, onde se consegue o efeito do grupo como unidade: é hipnotizante (vale recordar a ‘cobra’, de Samwaad, para quem viu). Mas os jovens são muito talentosos e é difícil saber para onde olhar nas coreografias individuais, quando todos estão no palco.

Esse é a primeira montagem profissional desses jovens, dando seqüência ao projeto Dança-Comunidade, nascido da parceria de Bertazzo com o Sesc. Eu, se fosse você, iria ver rapidinho…as últimas apresentações serão de 20 a 23 de setembro, no Auditório Ibirapuera.
Longa vida à companhia e a esses encantadores dançarinos…
(Fotos de divulgação do espetáculo.)