Descansou bem? Tomou um café-da-manhã gostoso? Então vamos explorar as praias de Boipeba.

(mapa do site www.boipeba.tur.br)
O ponto de partida é a a praia da Boca da Barra, onde encontramos a maioria das pousadas, o acesso à vila e os bares pé-na-areia.

Uma característica bacana da praia é que ela tem dois lados: um virado para o oceano e outro para o Rio do Inferno, na sua foz. Água salobra ou salgada, você escolhe. Você pode vê-la na foto abaixo, com o rio no canto direito.
 
Apesar de ser a praia mais acessível da ilha, a Boca da Barra é bem tranqüila, pouca gente na areia e circulando.

Através de uma trilhinha chegamos à praia de Tassimirim, cheia de lindos chapéus-de-sol.

Apesar de ter alguns recifes que podem atrapalhar um pouco o banho, a praia é uma delícia: pouquíssima gente efetivamente relaxa por ali e as árvores criam a sombra perfeita. Coqueiros são muito fotogênicos, mas nada como um chapéu-de-sol para abrigar o banhista naquela horinha da sesta 😀

Não cochilei, mas foi o lugar perfeito para ler um pouquinho e cair a ficha de que eu realmente estava naquele lugar incrível…A única companhia que tive nessa manhã foram uns poucos pescadores.
Está tudo muito bom, mas é hora de levantar canga e continuar o praia-tur. Tassimirim não é muito grande e, andando mais um pouquinho e contornando uma grande pedra, chegamos em Cueira.

A primeira visão da praia impressiona…grande, coqueiros sem fim, ela faz uma curva muito bonita. As ondas são fortes e vi algumas pessoas surfando, mas o canto esquerdo da praia é bom para banho.

Além disso, neste cantinho também fica o seu Guido, famoso por cozinhar suas lagostinhas numa barraca improvisada à beira-mar.

É tudo muito rústico, mas uma delícia e o seu Guido é uma simpatia. É só pedir uma cervejinha, enfiar o pé na areia e esperar a sua lagosta. A porção individual varia de R$ 15 a 20 reais, que tal? Se você pedir com antecedência, ele também faz um polvo maravilhoso.
Depois de comer um pouquinho, que tal uma caminhada? A próxima praia é Moreré, uma outra vilinha de Boipeba, famosa pelas piscinas naturais que ficam em frente à praia.

Você tem duas opções: ir pela praia e atravessar o rio, se a maré estiver baixa. Como ela já estava subindo na hora em que fui para Moreré, acabei indo por dentro da ilha, através de uma trilha de mais ou menos 50 minutos.

O bom da trilha é que, além de queimar as calorias, ela passa por uma parte alta de Boipeba em que se pode ver quase todas as praias do lado leste e sul da ilha. Uma beleza. Essa aí de baixo é Moreré, dá até para ver uma parte mais clara, onde ficam os recifes.

A vila é bem pequena e tem um restaurante muito recomendado, o Mar e Côco. Uma pena que não o peguei aberto, fica para a próxima vez…

Mais uma pequena trilha e você está em Bainema, a última praia que pode ser atingida a pé neste trecho da ilha. É uma longa praia cheia de coqueiros, deserta.
Mas não acabou…vamos um pouco mais longe no próximo post.
PS: Apesar de eu ter feito um só post sobre as praias, acredito que tentar visitar todas em um só dia vai te deixar mais estressado/a, o que não é o objetivo num lugar desses! Como sugestão, fique um dia na Boca da Barra, Tassimirim e Cueira e em outro vá até Moreré e Bainema. Na alta me disseram que existem barquinhos trazendo de volta os visitantes para a Boca da Barra, assim como tratores que fazem aquela trilha que eu percorri, indo de Moreré à Velha Boipeba, a vila principal. Não foi o caso quando estive lá, era baixa temporada e a ilha tinha poucos visitantes. É bom se programar antes…