Coloco aqui algumas informações práticas da nossa viagem à Costa Rica, em julho de 2006, para quem estiver pensando em visitar o país:

Época – Como em qualquer país tropical, existem duas estações: a seca e a úmida, sendo que esta última vai de abril até aproximadamente setembro. As vantagens de se viajar nesta época: é baixa estação, então os preços vão estar mais amigáveis e os lugares não muito lotados, fora que as chuvas vão deixar tudo mais verde e bonito. Por outro lado, as estradas ficam piores nesta época, além…da própria chuva em si, que pode atrapalhar ou impedir alguns passeios.
De qualquer maneira, existem períodos específicos para quem quer surfar no Pacífico, surfar no Caribe, pescar, observar o quetzal, ver a desova de tartarugas de couro…
Transporte aéreo – A partir de São Paulo, a Taca e a Copa voam até o aeroporto Juan Santamaría: a primeira fazendo escala em Lima e a segunda na Cidade do Panamá. Os preços das duas companhias é parecido: na época paguei em torno de US$ 800, mas com a alta dos preços das passagens, as pesquisas trazem agora tarifas em torno de US$ 1.000. Nós voamos com a Taca porque a companhia era parceira da TAM e a milhagem ia para o programa de fidelidade, mas hoje já não existe essa vantagem.
Transporte terrestre – Para fazer toda essa epopéia costa-riquenha nós alugamos um Grand Vitara com a Mapache. Jipes são recomendados para quem vai se embrenhar pelo país, já que as estradas não têm em geral um estado de conservação muito bom.
Hotéis – Nós ficamos em hotéis de 3 a 4 estrelas, de estilos bem diferentes entre si. Em geral, ficamos muito bem hospedados e a única ressalva é com relação ao Guanamar, em Playa Carrillo. As vistas e áreas comuns eram ótimas, mas o quarto em que ficamos era bem velhinho, com um carpete horrível. Quanto ao restante, nós recomendamos:
– Heredia: La Condesa
– Puerto Viejo de Talamanca: La Costa de Papito
– La Fortuna: Volcano Lodge
– Monteverde: El Establo
Passeios – É tudo muito fácil: os passeios privados têm acesso tranqüilo e estrutura muito bem-feita, os parques nacionais têm postos de informações e mapas, muitas agências de turismo em todo o canto e quiosques de informações. Onde quer que você vá é possível conseguir mapas onde tudo isso está bem marcadinho e descrito, facilitando o trabalho de escolher onde ir e o que fazer.
O único passeio organizado foi o de Tortuguero, que foi comprado com o pessoal da agência Servitur, que também fez a reserva dos hotéis para todo o grupo.
Comer – Além dos restaurantes indicados nos posts, é interessante obter as melhores indicações em guias como o Frommer’s, Lonely Planet, Fodor’s…De qualquer maneira, é difícil comer mal na Costa Rica e a sugestão é de se aventurar pelas sodas e se surpreender com a qualidade da comida caseira.
Guias – Nós levamos o Lonely Planet Costa Rica. Apesar de ter a fama de guia ‘alternativo’, o guia também dá muitas opções ‘Top End’ e tem muitos textos interessantes sobre o país e questões ambientais.

Compras – Não há muito o que se comprar, a não ser as cerâmicas chorotegas, Ron Centenario e souvenirs em geral, como os trabalhos de madeira de Sarchí (em especial miniaturas dos carros de boi). Um conselho: poupe o dinheiro das compras e aproveite para fazer todos os passeios possíveis, inclusive os mais caros, como o canopy. E traga muitas fotos 😉