Costa Rica

Aos pés do Arenal

Depois de um belo começo de dia na praia, é hora de tomar café, arrumar tudo e pé na estrada. Esse foi o dia mais longo de viagem, pois cruzamos do extremo sul para o centro/norte do país, onde fica La Fortuna, cidade aos pés do vulcão Arenal.

Para chegar até lá precisamos voltar por quase todo o caminho de volta a San José, mas tomando o rumo norte um pouco antes. Também por causa deste dia longo na estrada, optamos por fazer um almoço diferente: compramos coisinhas gostosas num vilarejo para fazer um piquenique e procuramos um lugar à beira rio…
Depois desse momento bucólico, estrada de novo e chegamos a La Fortuna no meio da tarde.
Deixamos as nossas malas no hotel e seguimos rapidamente para o Tabacón Resort para o aproveitar as águas termais e relaxar da viagem longa. Mas todos acharam que não valia a pena o preço para ficar apenas umas duas horinhas e fui voto vencido…chuiff. Tem problema, não. Voltamos para o nosso hotel, o Volcano Lodge, e aproveitamos as piscinas termais de lá mesmo, que tinham uma visão péssima :mrgreen:
O vulcão Arenal é ativo, mas não emite só aquela fumacinha leve que vimos no Poás: diariamente a lava escorre pelas encostas, proporcionando um belo espetáculo à noite, fazendo dos tradicionais apéros na varanda uma super atração. Os olhos de todos estavam sempre grudados no céu, esperando os rios vermelhos e a luminosidade que vinham do vulcão.
(foto de www.travelblog.org)  
Ainda saímos para sentir a noite de La Fortuna: a cidade é pequena e super pacata, tudo acontece em torno da avenida principal, onde se concentram os restaurantes, serviços e alguns hotéis. Jantamos em um restaurante bem recomendado, o Nene’s: comida deliciosa e leve, ceviche e um peixinho no vapor muito bom.
No dia seguinte pegamos a estrada que contorna a base do vulcão até chegar às Puentes Colgantes de Arenal. É uma reserva fabulosa de mata em um cânion, de onde se pode ver o Arenal, atração-mor.
A diferença deste lugar para outros pedaços de floresta, é que existe uma trilha de pontes suspensas cruzando o vale.
Além de ver os bichos e a vegetação…
…ainda se pode acompanhar o riozinho que corre ao longo da trilha.
As crianças adoraram o passeio (que fique claro: crianças de todas as idades 😉 )
Voltando no sentido de La Fortuna, passamos pela pontinha do Lago Arenal que fica mais próxima da cidade, aos pés do vulcão. Essa estrada, que percorremos bastante nesses dois dias, tem uma paisagem linda ao redor: às vezes vemos o vulcão e o lago, muitas vezes mata chegando bem perto e bichos como essa quatizinha que apareceu de repente (para nossa surpresa e medo pela segurança dela)…
Outra coisa que gostei muito foram as cercas ‘vivas’ da região: os troncos das cercas são realmente árvores, com uma poda especial.
Pegamos uns lanchinhos rápidos na cidade para um piquenique no meio do mato: nosso destino era a Catarata de La Fortuna: uma queda de 70 metros, alcançada através de uma trilha curta, mas íngreme.
Não estava com tanto calor assim a ponto de cair na água, mas com certeza dava vontade. Foi um belo fim de tarde para um dia tranqüilo, que terminou no mesmo astral: todo mundo nas piscinas termais do hotel, curtindo a última tarde perto do Arenal 😉  Mas como sempre temos pique para comer, voltamos para o centrinho da cidade para jantar no La Choza de Laurel: um restaurante típico, meio turistão, mas com comida gostosa e ambiente simpático.
No dia seguinte acordamos cedíssimo e nem esperamos pelo café da manhã para entrar na área do Parque Nacional Volcán Arenal e conferir o Observatório. Este lugar é, ao mesmo, uma pousada (a única dentro do parque) e base de monitoramento do vulcão e de atividades sismológicas, conduzida pelo Instituto Smithsonian.
Apesar do contínuo derramamento de lava e da coluna de fumaça que sobe, noite e dia, o Arenal teve sua última grande erupção em 1968 quando causou grande estrago, matando pessoas e espalhando lava por uma área gigantesca. Desde então, ele tem se mantido calmo e os especialistas garantem que a região é (relativamente) segura.  Por via das dúvidas, todos os carros na cidade sempre devem ser estacionados de ré…
Numa próxima vez eu escolheria me hospedar aqui: é o mais próximo do vulcão que você vai estar, com lindas vistas dele e do lago, caminhadas até as trilhas de lava e pelos bosques ao redor, cheio de bichos.
Nós so andamos um pouco por lá, tínhamos que colocar o pé na estrada de novo. Mas o pouco foi suficiente para querer voltar 😀
_______
Outras viagens…

Além de passar mais tempo no Observatório, fazendo as trilhas ao redor, outras sugestões de passeios são:
– Trilha até o Cerro Chato: vulcão com um lago na sua cratera e que possui ótima vista para o Arenal.
– Tabacón Hot Springs: com certeza voltaria para uma tarde de relaxamento nas piscinas térmicas naturais, no meio de jardins tropicais.

21 Comments

  1. Mô Gribel

    Emília, que lindo! Parece um desenho, não?
    Beijos

  2. Camila

    Emília, que emoção ficar tão perto desse vulcão! Eu acho que ficaria com um pouco de medo… 😉 As fotos estão todas maravilhosas! Realmente a natureza na Costa Rica é espetacular!

  3. Mari Campos

    Emiliota, que coisa linda!!! Pertinho do vulcão!!!! Amei!!! beijo grande, grande, grande

  4. Patsy

    Ecomilia :mrgreen:
    Que lugar lindo! Que vista linda do vulcão, diferente demais.
    O que mais me assustou foi aquelas pontes, eu não tenho medo de ponte, mas essas abertas embaixo eu me sinto tonta 😆 mais tonta, quero dizer… fico com as pernas travadas… na ópera do arame em Curitiba, quase me ajoelhei pq as pernas ficaram molinhas, imagina o povo pensando, a menina vai rezar aqui e eu com tontura, rsrs.
    Bem, estou adorando essa viagem contigo pra Costa Rica, viajamos juntos pelas suas fotos, não é mesmo? Beijão da patsy

  5. Emília

    Mô, o vulcão domina totalmente a cena da região e não dá para se cansar nunca de vê-lo num canto ou no outro, é hipnotizante!
    Olha, Camila, dá um pouco de medo saber que a região teve forte atividade em época recente, mas depois você esquece, com tanta coisa linda para se ver…O espetáculo noturno é impressionante, ver os rios de lava descendo o cone do vulcão…
    Mari, que bacana você por aqui!
    Nunca imaginei ficar tão perto de um vulcão ativo, também…os nossos happy-hours na varanda foram os mais quietos nessa escala da viagem, era só: ahhhs e ohhhs 😉
    E como está a vida dura em Buenos? 😀 Estou acompanhando lá no Pelo Mundo, depois quero saber como foram os encontros, não deixe de postar!
    Patsy, adoreia história da Ópera de Arame 😆 Realmente não é para as que sofrem de tonturas (ou tonteiras? como diria meu pai…): tem algumas pontes que ficam a uma altura absurda do fundo do canion, além de balançarem bastante – aliás uma pessoa do nosso grupo passou mal e voltou. Mas é muito divertido…
    Um beijo para todas vocês, moças e aproveitem o domingo! 😀

  6. Ernesto

    Emilia
    Esta lindo! Texto e fotos maravilhosas Seu blog vai viar uma referência em Costa Rica.
    Um lugar que eu adorei, mas que voce não foi, e eu recomendo a todos e Monteverde, e o Sky walk, passarelas enormes onde se anda em cima das árvores, e como um mergulho para ver pássaros.

  7. Emília

    Oi, Ernesto, obrigada! Eu fui para Monteverde, sim…só que eu não fiz o Skywalk, mas o Skytrek. Cenas do próxima post, hehe 😀

  8. Carmen

    Oi, Emília recuerdo que desde el volcán Poás fuimos a Puerto Viejo de Sarapiquí a un centro de protección de mariposas. Algunas mariposas eran muy grandes. Era un lugar peculiar muy campesino y poco turístico. De allí nos dirigimos al volcán Arenal.
    Recuerdo que cuando llegamos al pueblo La Fortuna el aire olía a azufre, o algo parecido.
    Me gustó mucho la imagen del volcán emitiendo una leve humareda y también recorrer todo el perímetro de la Laguna Arenal en coche.
    Gracias a su excelente post, Emília, he recordado muchas cosas que tenía casi olvidadas de mi viaje a Costa Rica.
    Parabéns por o post!!! É magnífico!!!

  9. Emília

    Obrigada, Carmen, como sempre você muito gentil 😀 Um dos motivos que eu estou adorando fazer essa série sobre a Costa Rica é justamente poder registrar coisas que a minha cabeça já estava começando a esquecer…
    Eu me lembro de ter lido sobre Sarapiquí e de como a região é pouco explorada e riquíssima…o que vocês fizeram por lá, rafting, trilhas? Pelo mapa me parece perto de La Fortuna e ouvi falar que vendem pacotes de um dia para Puerto Viejo, mas provavelmente deve ser um lugar para passar mais de um dia.
    E o engraçado é que, falando em vulcões, estava pensando em você neste final de semana: comprei uma Viajes National Geographic que tinha uma matéria sobre a Garrotxa e que tínhamos falado sobre Olot e a região, um tempo atrás.
    Um abraço!

  10. Clarissa

    Belo relato! Olha que interessante o critério para saber se um vulcão é considerado ativo ou não: : o critério tradicional para a determinação é a data da última erupção. Se esta estiver dentro do período em que as pessoas vêm registrando a história, o vulcão é considerado ativo. Se a última erupção ocorreu antes dos tempos históricos, mas dentro de 10.000 anos, então o vulcão é considerado “adormecido”, pois é provável que ele ainda tenha a capacidade de entrar em erupção novamente.
    Todo cuidado é pouco ao estar perto de um vulcão!!! Beijos

  11. Arthur

    Um post muito interessante, e essa dica da Clarissa também é muito boa! Então, qualquer coisa, mantenham sempre os carros com o motor ligado, nas proximidades de um vulcão…

  12. Carol Wieser | Travel Forever

    Que legal Emília…
    Virou especialista em vulcões ein? Já me convenci que é impossível não veu ao menos 1 vulcão em cada destino de C.R.
    Obs: adorei a cobrinha…
    Beijos

  13. Emília

    Obrigada pelas informações, Clarissa! Critério curioso para se definir a atividade de um vulcão, não imaginava…E Arthur, dá mesmo um frio na barriga de estar ali, vendo o vulcão cuspir lava, a pouquíssimos quilômetros de você. Mas os pesquisadores monitoram toda a atividade e deixam a população mais tranqüila…e turistas também.
    Carol, falta ainda vulcão pra chuchu para eu eu virar uma especialista (em vê-los, pelo menos! 😆 ). Na Costa Rica é realmente fácil…o país inteiro é cortado por essa linha de vulcões, é difícil mesmo uma região que esteja livre deles, talvez só a região de terras baixas do norte e a península de Nicoya.

  14. Carmen

    Emília, a zona da Garrotxa é muito interessante, mas o vulcão mais famoso de Espanha é o Teide en Tenerife.
    Espero ler pronto o seu post de Monteverde. Eu adoré o lugar!

  15. Diogo

    Opa, olha só que legal. Esse blog tá na Costa Rica!!!
    Que show querida. Aproveitem e se forem pro lado do pacífico, vão encontrar praias maravilhosas e lots of waves 😎
    Bjão

  16. Emília

    Carmen, as Canárias devem ser lindíssimas, todo mundo volta deslumbrado de lá. O Tony do De viaje a Brasil esteve por lá e tirou umas fotos impressionantes…
    Oi, moço! Pois é…já faz um tempinho que fui, mas tenho que aproveitar a memória, hehe 😀
    E fomos para o Pacífico, sim! Uma delícia, pegamos ótimo tempo e relaxamos demais. Só não surfamos, mas bem que deu vontade, ai, ai…a falta de habilidade não permitiu 😳
    Beijo pra vocês!

  17. Majô

    Emília, que bom chegar aqui e desfrutar mais um pouco da viagem de vocês. Que cenários !!! O vulcão é mesmo hipnotizante 🙂 E que fauna linda à sua volta 😉
    Muito verde e paisagens deslumbrantes, vamos continuar viajando 😉

  18. Emília

    Oi, Majô! Relax total e água sempre, né? 😉
    E eu também continuo a relembrar Buenos com você…espero que tenham aproveitado muito, mesmo com o frio!

  19. Rafaela

    Oi Emilia! Adorei os seus relatos sobre a Costa Rica.
    Vou explorar o pais em fevereiro, e queria tirar uma dúvida. Você fez algum tour guiado pelo Vulcão Arenal ou explorou a região independente?
    Pergunto pois estou em dúvida se reservo algum ou não.
    Já reservei para o Sky Trek+Sky Tram, mas estou em duvida quanto ao hikking/trecking pelo Arenal.
    Grata,
    Rafaela

  20. Emília

    Oi, Rafaela!
    Quando estive na região, eu não fiz nenhum passeio guiado, todos os lugares em que estive (puentes colgantes, cachoeira, observatório) foram visitados sem guia, só com o carro e um mapa. No observatório é possível fazer várias trilhas e existe indicação para elas. Não tive tempo para fazer nenhuma e testar se a sinalização é boa, mas se a idéia é fazer trilhas grandes, talvez seja uma boa contratar um guia. Talvez o próprio observatório tenha ou possa indicar, seria um começo.
    Aproveite bem a viagem, a Costa Rica é encantadora.
    Um abraço!

  21. Rafaela

    Emilia, muito obrigada pela sua resposta! seu blog tem sido ótimo no planejamento da viagem!!

Deixe uma resposta para Mô Gribel Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *