Costa Rica

(A grande) San José é uma festa

Chegamos ao aeroporto de San José numa tarde chuvosa e quente, depois de uma escala em Lima. Os nossos anfitriões, mesmo com tantas coisas para resolver antes do casamento, foram nos buscar e seguimos adiante, aproveitando para colocar o papo em dia enquanto esperávamos o trânsito se resolver.

Não nos hospedamos na capital, mas em Heredia, uma charmosa cidade da grande San José, a apenas 11km da capital. Ficam ali a Universidad Nacional, sedes de multinacionais (especialmente de tecnologia), algumas construções coloniais e também pontos de interesse mais pessoais para nós. Além de estar numa região mais alta e com muito verde, Heredia também se revelou ideal para fugir do trânsito de San José e um bom ponto de saída para ir aos lugares que queríamos visitar.

Ficamos no excelente Hotel La Condesa, que, além de ser muito confortável e ter ótimo serviço, era um ponto estratégico, já que a festa de casamento seria no próprio hotel.  Aproveitamos o resto da tarde comendo decentemente, relaxando e fazendo social, já que muitos dos convidados/viajantes já tinham chegado também.

Reservamos estes quatro dias para relaxar, comer bem, (re)ver a família do Charles e, claro, fazer o que todo turista gosta: turistar :mrgreen: A região em torno da capital é cheia de coisas muito bacanas para se fazer e normalmente se chega a elas através de estradinhas pequenas por áreas de linda vegetação e cidadezinhas simpáticas.  Aliás, tudo na Costa Rica é fácil: a escala das cidades é humana, as pessoas sempre têm um sorriso no rosto e adoram te ajudar, a comida te lembra alguma coisa familiar…A única questão a que não nos acostumamos é a da orientação: eu, que sempre me vangloriei de ter um ótimo senso de direção, me senti muitas vezes totalmente perdida por lá, como uma bússola desmagnetizada. O método de usar cem metros como um padrão de referência de distância também não ajuda: pode significar 100m, um quarteirão ou nenhum desses dois 🙄
Bem, vamos lá: o primeiro desejo era ver um vulcão. Sabe aquele clichê de criança, vulcão triangularzinho e tudo? Pois é, nunca tinha visto um e saber que eu estava perto de tantos aguçou a curiosidade antiga: a Costa Rica está localizada sobre o Círculo de Fogo do Pacífico e possui mais de 100 vulcões, apenas alguns destes ainda em atividade. Dois destes estão muito próximos de San José: o Irazú e o Poás, sendo que escolhemos este último por estar mais próximo de Heredia.
O nosso pecado: saímos tarde e nem chegamos ao final da subida até o estacionamento do parque nacional. Uma névoa cobria tudo e não veríamos sombra da cratera. Ok, meia volta e alguns minutinhos até o La Paz Waterfall Gardens. Esse parque particular seria uma amostra do que veríamos freqüentemente na nossa viagem: um turismo muito bem estruturado. O parque é organizado ao redor de um rio que tem cinco lindas cachoeiras, com um conjunto de trilhas e mirantes que facilita a visão de todas elas.


Além disso, eles têm um borboletário (existem muitos destes no país e também fazendas de borboletas para exportação)…


…um jardim de beija-flores (muitos e muitos, eles passam zumbindo por você, sem medo)…

…e um belo ranário, onde você descobre um sapinho (venenoso) diferente em cada canto (ok, com a ajuda do monitor melhora bastante).



(Já deu para perceber que eu adoro sapos? 🙄 :mrgreen: )
O lugar é lindíssimo e divertido e ainda bem que a chuva só foi cair bem no final do nosso passeio. Mas ainda não tínhamos desistido de visitar o Poás. Uma boa parte do nosso grupo se animou no dia seguinte e saímos bem mais cedo. Hmmm…os deuses que habitam os vulcões deviam estar enfurecidos, porque a névoa estava lá. Bem, já que não iríamos voltar por uma terceira vez, continuamos. Estacionamos. Andamos até a borda da cratera. E esperamos.

E esperamos…eba!

Essa é a cratera principal, com seu lago cor-de-experimento-químico-que-não-deu-certo. É aqui que se pode ver o vulcão em atividade: nestes últimos tempos o único sinal visível é a fumacinha discreta que sai das paredes da cratera (felizmente). A visão que se tem da cratera principal é muito impressionante, assim como a mata que cobre as encostas do vulcão e que abriga algumas trilhas, como a que vai até a outra cratera, a da Laguna Botos, só que com uma visão bem diferente…

Apesar das nuvens, ou por causa delas, a paisagem nos prendeu. Que lago…e que mata! Esta cratera não está ativa há muito tempo e isso explica a existência de todo esse verde. Valeu a pena ter entrado no parque mesmo com todas as chances contra 😉
Ainda pudemos, nestes dias, conhecer Heredia: o clima é de cidade do interior, com muitas pessoas relaxando na praça da catedral, muito comércio e cafés ao redor. O centrinho da cidade é muito simpático e tem algumas construções coloniais, do séc. XIX e começo do séc. XX. 

(fotos de www.tropicocr.com (e) e www.commons.wikipedia.com (d) )
Fomos também até Sarchí, uma cidade cheia de artesãos, que fazem principalmente este tipo de pintura, típica da Costa Rica (o carro de boi também é símbolo do país).

Claro que demos um pulinho em San José, mas a visita a pé foi totalmente frustrada por uma forte chuva, assim como o almoço planejado num restaurante charmoso, que não achamos de jeito nenhum (nem o segundo restaurante escolhido, nem o terceiro…). Simplesmente não nos encontramos por lá. Pelo pouco que vimos, nos pareceu uma cidade muito agradável, com alguns bairros bons para se passear a pé e um centrinho típico de capital latino-americana, mas não é caótico, só movimentado.
E por último, e mais importante, o motivo de nossa viagem: o casamento! O local da cerimônia não poderia ter sido melhor escolhido: uma capelinha charmosa no meio do mato, na área alta de Heredia, de onde se tinha uma vista maravilhosa de San José…e dali, direto para a festa animadíssima no hotel, pertinho dali, com direito a muita salsa, shots de tequila e até escola de samba!

Foi um belo começo de viagem que prometia 🙂

_______
Outras viagens…

Tem muita coisa a ser feita nessa região chamada Valle Central. Aqui seguem algumas sugestões do que eu faria numa próxima vez em San José e arredores:
Vulcão Irazú (dizem que dá para ver os dois oceanos do topo) e Cartago, cidade colonial: 24 km ao sul de San José
– San José, para explorar o centro, construções históricas e visitar o Museu de Jade.
Fazenda de borboletas La Guácima: aproximadamente 25 km a oeste de San José, é uma oportunidade de ver a exploração comercial das pupas (a borboleta dentro da crisálida).
Parque Nacional Braulio Carrillo: é uma região grande de floresta tropical protegida, que está praticamente às bordas de capital. É possível fazer trilhas, incluindo a subida até o Vulcão Barva, e um outro passeio recomendado, a observação da floresta no Rain Forest Aerial Trams.
– Rafting: a região próxima a Turrialba (64km de San José) é a chamada capital do white-water rafting na Costa Rica e o maior movimento se dá em torno dos rios Pacuaré e Reventazón. Normalmente são comprados pacotes nos quais já está incluído o transporte.
Outro programa muito procurado são as fazendas de café, como a Britt, com programação turística que inclui visitas às plantações e degustação, tudo muito organizado, claro. Mas para uma mulher que tem suas raízes em uma área cafeeira do sul de Minas e desde criança brincou em terreiros de secar café, o passeio me pareceu um pouco ‘gringo’ demais. Mas eles aproveitam todo o seu potencial turístico e isso é de se admirar. Por que não podemos fazer o mesmo por aqui?

25 Comments

  1. Tim Ramsey

    I recently came accross your blog and have been reading along. I thought I would leave my first comment. I dont know what to say except that I have enjoyed reading. Nice blog.
    Tim Ramsey

  2. Carol Wieser | Travel Forever

    Emília,
    Que gostoso poder aliar duas coisas importantes em uma só, não? ;)Uma bela viagem dessas e de sobra comemorar um evento no melhor estilo costa riquenho!
    Adorei a riquesa do posts e das fotos. Os sapinhos estão tão bonitinhos…
    Eu já visitei um vulcão em uma das minhas viagens, mas não tive a oportunidade de chegar tão perto da cratera… deve ser uma sensação singular e pelo visto em Costa Rica não faltam oportunidades de vê-los de perto!
    Abraços

  3. Ernesto

    Oi Emilia… Bela chnace de rever a Costa Rica, e fiquei arrependido de não ter ido na Fazenda dos sapinhos, pelo visto era bem mais interessante do que parecia no folder!
    Vamos aguardar as próximas postagens!

  4. Emília

    Thanks, Tim, for the visit. Hope you keep on enjoying the posts! 😀
    Carol, foi uma oportunidade muito bacana. Queria um dia visitar o país, só não sabia que seria tão próximo. É bacana ter uma visão ‘insider’ do lugar 😉
    Onde você viu um vulcão antes? Havaí?
    Um abraço!
    Ernesto, você sabe se foi este La Paz? Pelo que vimos, existem vários jardins de sapos, borboletas e etc. Pelo jeito é a especialidade deles, hehe…
    O lugar, apesar de super certinho e organizado, era lindíssimo e com certeza valeu a pena.

  5. Ernesto

    Emilia
    Não me lembro o local… Mas, sapos eu só vi no pequeno zoo de San Jose que tinha uma ala dedicada a eles… Vi mais pássaros, e mamfireos, nos parques nacionais, e no skywalk em Monte Verde.

  6. Carol Wieser | Travel Forever

    Emilia, eu vi o vulcão Gunung Batur em Bali. Mas não subimos nele não… uma peninha! Sabe como é, muitas vezes o tempo faz com que tenhamos que optar pelo mais prático pra não perder outras atrações… quem sabe em um outro lugar!!
    Beijinhos

  7. Emília

    Sapo é o tipo de bicho que você tem que ter um olho super atento: são normalmente pequenos e ‘somem’ no habitat deles. Os ‘sapários’ são bons porque dá para vê-los bem de pertinho. Um dos que vi mais facilmente (e um dos mais interessantes) é o flamenguinho, que é espécie endêmica de Itatiaia. Dá para ver vários nos barrancos das trilhas.
    Carol, seu eu estivesse em Bali não faria tanta questão de subir no vulcão, não :mrgreen: Deve ter toneladas de coisas bacanas para se fazer por lá…Espero que blogue a viagem!

  8. Camila

    Emília, você mal começou e já dá pra ver que realmente há muito o que fazer na Costa Rica! Pelas fotos acho que eu iria gostar de Heredia. Não resito a uma cidadezinha charmosa… 🙂

  9. aturistaacidental

    Eu achei Heredia bem mais tranqüila que San José, Camila. Encontramos nossos caminhos por lá bem melhor que em San José…A região alta se parece um pouco com a Serra da Cantareira, aqui em São Paulo: mata, belas casas e vista da cidade.

  10. eduluz

    Emília, continuo achando a Costa Rica super-visitável ( ainda mais agora com este post).
    Me responde uma coisa : o quão venenosos são estes sapos? E eles ficam na deles ou dão muitos pulos na tua direção ( minha esposa tem horror a sapos !)

  11. Arthur

    Muito bom este post e os sapinhos e borboletas. Parece que o eco-turismo lá é organizado como em Bonito-MS.

  12. aturistaacidental

    Eduardo, eu não saberia te dizer o quanto são venenosos…acho que o problema maior é se você tem alguma ferida e os toca. Mas eles não pulam em você não 😀 Ficam é quietinhos no canto deles e às vezes é até difícil enxergá-los: a diversão é ir descobrindo…Quer dizer, diversão para quem gosta, talvez para ela seja mais interessante ver os beija-flores, quem sabe? Tem muita coisa para fazer, mesmo para quem não é tão ligado em bichos, se bem que eles são tão presentes que fica difícil dissociá-los da viagem como um todo. Um abraço!
    Arthur, este post está meigo mesmo 😆 Eles levam o turismo de natureza super a sério: aprenderam que para atingir o público estrangeiro, tem que ser bem feito e controlado. Aliás, muita gente no ramo do turismo lá é de fora do país também.

  13. Patsy

    Emília, que bacana heim, mas eu não parei de rir :mrgreen: do começo ao fim do post lembrando da Mô, ela QUASE foi pra Costa Rica!! 😆
    Olha que engraçado meu irmão foi para um Casamento também na Costa Rica, será que todo mundo casa na Costa Rica? 🙄
    Beijinhos
    Pat

  14. Emília

    Patsy, como eu falei para a Mô, acho que nenhuma das duas é muito a cara dela, hehe…
    Agora…será que o seu irmão não foi para o mesmo casamento? 😆 Brincadeira, acho que éramos os únicos brasileiros. Haja coincidência…esse nosso amigo quis fazer lá porque, apesar de não morar lá, tem família na Costa Rica.
    Beijo!

  15. Carla

    Emília, essa foto do vulcão está o máximo!!! Quando eu fui ao Chile quase enjoei de tanto ver vulcões, mas acho que eu sou mesmo uma criatura irremediavelmente urbana – simplesmente nunca me ocorreu subir em um! 😀

  16. FATOS & FOTOS de Viagens

    Passei por aqui para dizer que além de ter uma agradável surpresa com esta matéria sobre San José, quero ajudar a reforçar o convite para vir ao Rio de Janeiro!

  17. Emília

    Urbana, nada, Carla! Pelos teus relatos você adorou a paisagem do Titicaca e as ilhas…e ali de urbano não há nada 😀 Na verdade, acho que existem algumas paisagens especiais que sempre vão tocar os amantes de cidades e algumas cidades incríveis pelas quais alguns viajantes mais estilo natureza vão se apaixonar, não é mesmo? Quanto a mim, gosto de tudo, difícil falar :mrgreen:
    Oi, Arnaldo! Essa blogagem não é de viagem recente, mas como esse é um diário de viagens, queria colocar logo no computador porque já estava me esquecendo de algumas coisas 🙄 E obrigada pelo convite, estou louca para ir nessa convenção. Ela promete!
    Bom final de semana para vocês! 😉

  18. Carla

    Emília, é que eu disfarço bem… 😆 Também me divirto em lugares que fazem mais o estilo natureza, mas depois de umas horinhas eu já preciso ter uma cidade por perto, mesmo que seja pequenininha como Copacabana ou Puno… 😉
    Aproveito para também reforçar o convite para a ConVnVenção do Rio!!! Contamos com vocês aqui! 😀 (Aliás, estou morrendo de pena que o Riq não vai estar por aqui…)

  19. Emília

    Obrigada, Carla! Estou com muito vontade de ir, estou me organizando por aqui, espero que dê certo! 😀

  20. Meilin

    San Jose da Costa Rica
    Coração civil
    Me inspire no meu sonho
    De amor Brasil…
    Assim como os versos da canção do Milton Nascimento, seu post também está inspirando uma nova viagem.
    Ueba, cê também vem pra conVnVenção carioca? Vai ser uma djilícia!

  21. Emília

    Que bom te ver por aqui, moça!
    Obrigada pelos versos do Milton, que não conhecia…é um país inspirador mesmo, de muita tranqüilidade e organização. Merece um olhar mais atento…
    E estou mexendo meus pauzinhos por aqui…vai ser uma das melhores conVnVenções!

  22. Gina

    Só uma coisinha, Heredia não faz parte da “Grande São José”, São José é uma provincia que é a capital do país e Heredia é uma outro provinca, não é uma cidade. Nosso país consta de 7 provincias, San José, Cartago, Heredia, Alajuela, Guanacaste, Puntarenas e Limón.
    Digo com conhecimento porque sou costarriquenha. Adorei seus comentário sobre meu país.
    Abraços e tomara que possa visitá-lo novamente.
    Eu moro no Brasil e também adoro o Brasil

  23. Emília

    Ops, Gina, meu erro. É tão pertinho que eu coloquei todos no mesmo balaio, hehe…
    De qualquerm maneira, é um país adorável, com um povo gentilíssimo. Sempre recomendo quando pedem minha opinião!

  24. juvenal filho

    Bom dia peço autorização a sua pessoa, para usar sua foto da fazenda de costa rica, com objetivo de uso de puro trabalho sobre borboletários, pois trabalho na area e vou apresentar uma oficina.
    e sua foto pode vir a ser util no processo se assim vossa senhoria permitir.
    com atenção aguardo sua resposta….desde ja lhe agradeço pela atenção a minha pessoa.
    referencia “foto interna da criação comercial de borboletas..”

  25. Emília

    Bom dia, Juvenal
    Autorizo o uso sim, espero que não tenha sido tarde demais a resposta.

Deixe uma resposta para eduluz Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *