Bonito

Cachoeiras do Rio do Peixe: para refrescar a cabeça

No nosso quarto dia em Bonito resolvemos fazer algo diferente das flutuações e cavernas. Mas, considerando onde estávamos, não havia como escapar da água: seguimos para as Cachoeiras do Rio do Peixe, um lugar mais conhecido como a fazenda do seu Moacir.

Este passeio tinha sido bem recomendado pela quantidade de bichos que andam por lá, pela hospitalidade e pela ótima comida (não necessariamente nesta ordem 😉 ).
Quando chegamos na fazenda, já pudemos ver o seu Moacir recepcionando os visitantes do dia, no meio de suas araras ensinadas. Sim…elas abrem a torneira para se refrescar e não se incomodam com o toque dos visitantes. É uma bela visão ver tantas araras juntas: canindés, azuis, vermelhas…

Outras figurinhas que aparecem de mansinho são essas aqui: macacos-prego. Uma família inteira…

Seu Moacir adora contar ‘causos’ e histórias da fazenda e dos bichos. Depois de um bom bate-papo e canjica para dar energia, é hora de caminhar. Seguimos pela trilha margeando o rio Olaria e vendo algumas quedas aqui e ali.

Vamos até o ponto mais distante da trilha, onde o rio do Peixe nasce, dentro de uma gruta, e deságua num poço profundo. Há ali um trampolim para cair na água, com cerca de cinco metros de altura. Foi ali mesmo que pulamos.

Brrr…já dentro da água, estava em iminência de congelamento. Mas o ambiente todo era muito interessante e bonito para me preocupar com uma água fria qualquer. Quando temos oportunidade de ver um rio nascendo daquele jeito? Aproveitei para entrar na gruta e ver os salões, não sem uma certa dificuldade, já que a passagem era estreita. É possível ouvir o fluxo do rio dentro da terra. Fantástico.
A partir do poço, é só seguir nadando pelo rio, que desce através de vários desníveis.

Tudo é muito inspirador. Muita água e limpíssima, o sol batendo, as flores vermelhas que aparecem em todos os cantos, os sapinhos na beira do rio…


E o passeio continuou, com paradas para curtir outras cachoeiras…

 
…e os pássaros.
 
Depois de um tempo relaxando ao sol e nadando no último trecho do rio Olaria, já próximo da sede, estava na hora do almoço. Aliás, o melhor almoço de todos os passeios que fizemos: a esposa do seu Moacir coordena o fogão a lenha e ele próprio assa as carnes e lingüiças caseiras.
Quase todos morremos de tanto comer. A comida é deliciosa, sem contar a mesa de doces caseiros, com uns dez tipos à disposição dos glutões.
E depois…soneca no redário, com direito ao sonzinho do rio correndo ao lado.

Antes de visitar as outras cachoeiras, seu Moacir se aproxima com bananas: é hora de alimentar os macacos. A garotada fica quietinha, com as bananas nas mãos…esperando. Os macacos se aproximam, com todo o cuidado, e de repente pegam a fruta e saem correndo.
 

Eu não sabia do que eu ria mais: dos macacos ou da garotada rindo dos macacos 😀
Como era baixa temporada, havia poucas pessoas fazendo passeios independentes. Acabamos, então, sempre encontrando as mesmas duas ou três famílias nos passeios, com seus filhos. Pudemos observar os pequenos em todos e este é mais um dos passeios em que as crianças se viraram muito bem, o tempo inteiro se divertindo, sem problemas.
Acabamos colocando o pé na trilha de novo, mas, desanimados pelo frio da água (nem vou comentar o almoço e a rede), acabamos no esquema contemplação.

Estávamos moídos, mas contentes 🙂

17 Comments

  1. Diogo

    Oi querida!
    Olha só, conta uma coisa aqui só pra mim: é o paraíso, né?
    Porque se não for, ele é ali do ladinho, muuuuuito próximo 🙂
    Beijão, to apavorado ainda…

  2. Patsy

    Cada vez melhor,Emilia.
    Que delícia, Bonito na listinha com certeza!!
    Beijinho
    Patsy

  3. Mô Gribel

    Emília, adorei este sapinhozicozinho! Que coisa mais bonitinha! 😀

  4. marcio

    Que lugar maravilhoso!!!
    Como o Diogo disse, o paraíso deve ser pertinho!!!

  5. Emília

    Diogo, esse é um homem de sorte…dizem que ele já recebeu várias propostas incríveis para compra da fazenda e ele nunca aceitou. Tá certo ele 😀
    Tá apavorado? Poxa, não era essa a minha idéia com o post 😛
    Mô, adoro sapos! (Na verdade eu prefiro essas rãzinhas pequenas e simpáticas…). Em Itatiaia tem um do mesmo tamanho, o flamenguinho (preto e vermelho, claro), que só existe por lá. Uma fofura só.
    Patsy, se você tiver pique, dá para fazer num feriado de 4 dias…bom te ver ontem, mesmo que por um tempinho!
    Marcio, falando em Brasil…você não tem previsão para vir para cá?
    Tá na hora de fazer umas fotos bacanas daqui também 😀

  6. Camarada Choco

    Divulgação
    Mais um Blog que se tornou um Livro!
    Filme da apresentação disponível no YouTube em “Camarada Choco”
    http://www.camaradachoco.blogspot.com

  7. Débora

    Me animei com a dica que você deu para a Patsy e quero colocar Bonito na minha lista para o próximo feriado de 4 dias (se bem que eu duvido conseguir folga nos próximos meses). Nunca pensei em conhcer esse lugar mas estou maravilhada com suas fotos. Você acha que é bom ir no reveillon?
    Vi a foto da Convenção VnV e você estava lá, que bacana! Fiquei morrendo de vontade de ir e conhcer o pessoal mas vergonha foi maior, pois apesar de acompanhar sempre o blog do Ricardo, dificilmente comento. Quem sabe mando a vergonha embora e apareço na próxima, né?
    Beijos,
    Débora

  8. Emília

    Oi, Débora!
    Que bom que vocês se animaram! Eu fui com um pouco mais de tempo, mas tenho amigos que foram para um feriado e curtiram bastante. Acho que, neste caso, vocês deveriam tentar chegar à noite do dia anterior ao feriado em Campo Grande e fazer o traslado ainda nesta noite. E, como vocês teriam três dias (e meio, talvez), sugiro tentar fazer pelo menos um passeio de flutuação, um de caverna e outro de cachoeiras.
    Só para vocês terem uma idéia, olhem as durações dos passeios:
    – Flutação no Prata e no Aquário: um dia cada um (talvez dê para negociar no Aquário só a flutuação, sem a trilha dos animais)
    – Flutuação no Sucuri: meio dia
    – Rio do Peixe: um dia
    – Gruta do Lago Azul e Abismo Anhumas: meio dia cada um
    Ainda tem alguns passeios bacanas que queremos fazer numa próxima vez, como as cachoeiras Boca da Onça, por exemplo.
    Não sei como fica no Reveillon, não, mas o período que o pessoal da região pediu para evitar a todo custo é o Carnaval: dizem que a cidade fica impossível. Eu ainda preferiria a baixa temporada, para dar uma sensação de lugar mais selvagem.
    E vocês deveriam ter ido na ConVnVenção! Para muita gente foi a primeira vez e com certeza não a última 😉 Vocês dois deveriam se programar, o pessoal é demais 😀

  9. Emília, muito legal mesmo!
    Deu para notar que vocês aproveitaram e curtiram bastante o passeio.
    :mrgreen:

  10. Débora

    Com certeza queremos conhecer uma caverna e uma cachoeira. o “problema” é a flutação porque dá vontade de fazer todas! Mas se o tempo for curto acho que a do aquário, incluindo a trilha dos animais, não pode deixar de ser feita. Vou começar a pesquisar e ver como é a cidade no Reveillon. Quem sabe…
    Verdade, precisamos perder a vergonha e conhcer o pessoal do VnV. Na próxima ConVnVenção iremos!
    Beijos e obrigada pelas informações,
    Débora

  11. Majô

    Emília,
    Amei as fotos das araras, são pássaros lindos mesmo.
    E os macaquinhos são fofos e dóceis.
    Esse rio é maravilhoso, adoro um banho de rio, saio zerada. Aí, vê-se natureza em todo seu esplendor.
    Imagino a delícia desse almoço feito no forno a lenha, o feijão e arroz, têm outro sabor, djilicia. 🙂

  12. Emília

    Majô, eu pareço criança vendo bicho, adoro…
    A única coisa que eu recomendo, para quem é friorento, é ir no verão, para ficar o tempo inteiro dentro da água…você iria se esbaldar! 😀

  13. Majô

    Emília, acho que eu ia me esbaldar mexxxmo. 😆

  14. fabioa

    aew amigo!
    eu sou do rio de janeiro.e queria saber onde fica esse lugar.
    eu moro em magé rj.
    se poder passar um e-mail eu agradeço!
    um abraçao e fique com Deus!!!
    ai vai uma mensagem!
    “cuidar do meio ambinte não é um dever,é um questão de nessecidade”

  15. Emília

    Fabio:
    1. Como consta várias vezes no próprio post, o lugar onde ficam as cachoeiras é Bonito – MS;
    2. Não respondo por e-mail, só aqui nos comentários do blog;
    3. Eu sou uma blogueira, não blogueiro…
    Um abraço!

  16. jorge soares da silva

    Eu nasci e cresci no municipio de Lupercio,e para atarvessar o rio do peixe era muito dificil.Gostei de relembrar do meu passado;obrigado!

  17. Emília

    Imagino o que é paravocê a diferença que é hoje ter estrutura e tanta gente circulando, Jorge. É um belíssimo lugar.

Deixe uma resposta para Diogo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *