Petar: Páginas Amarelas

Aí vão as dicas para quem quiser experimentar o Petar:
Época –  O Petar é melhor aproveitado fora da época de chuvas: não é só porque é melhor fazer trilhas no seco, mas principalmente porque algumas cavernas podem ficar interditadas na época chuvosa, devido ao risco de trombas d’água. Além disso, é mais difícil de dirigir em estradas de terra barrentas.
Como chegar – Existem duas maneiras de chegar lá a partir de São Paulo: pela Castelo Branco (SP-280) e pela Régis Bittencourt (BR-116), sendo que esta última é o acesso usado também para quem vem do sul do país.

(mapa do site www.petaronline.com.br)
Indo pela Régis, deve-se passar por Registro e entrar em Jacupiranga, seguindo as placas sentido Eldorado e/ou Petar. Depois de Eldorado e a entrada para a Caverna do Diabo, a próxima cidade é Iporanga, a mais próxima da sede do parque. Dali são mais 15 km de estrada de terra até o bairro de Serra.
Pela Castelo, siga até a saída de Tatuí e nessa rodovia passe pela própria, por Itapetininga, Capão Bonito, Guapiara e Apiaí. É uma região muito bonita, paisagem interessante. Em Apiaí, siga as placas para o Petar, núcleo Santana. São cerca de 25 km de estrada de terra.
Visitação de cavernas e trilhas – Apesar de não haver controle nas cavernas, com exceção da Santana, não recomendamos de maneira nenhuma entrar nelas sem o acompanhamento de um guia. Eles são organizados em um associação e você pode contratar o seu por indicação da sua pousada ou através da agência Ecocave, aparentemente a única de Serra (que não existia quando fui da primeira vez).
Para entrar no núcleo Santana, que concentra a maioria das cavernas e trilhas dessa área, é necessário pagar uma pequena taxa. Para cavernas que exigem permissão do parque, é recomendável contratar o guia ou agência com bastante antecedência.
Pousadas – As acomodações no Petar são bastante simples, não há luxos. A maioria dos quartos nas pousadas são quádruplos ou até maiores e favorecem as viagens em grupo, mas com uma certa antecedência dá para reservar os poucos quartos duplos.
É possível se hospedar com talvez um pouco mais de conforto em Iporanga, mas desanima ter que percorrer a estradinha de terra todo dia para poder chegar nas cavernas. No bairro de Serra você pode ficar na Pousada Tatu, onde nos hospedamos desta vez. É bem simples, mas confortável, comida caseira, bem próxima do ‘centrinho’ de Serra e os donos são espeleólogos, o que garante umas palestrinhas e videos à noite.
Outras opções de pousada são a Pousada das Cavernas, a Pousada do Quiririm e a Pousada da Diva. A pousada onde ficamos da primeira vez infelizmente fechou, mas você pode contratar o dono dela como guia, o Cidão, que é um dos guias mais antigos do Petar.
Comer – Não existe restaurante em Serra, só uma pastelaria, que mata a fome da tarde dos que voltam das cavernas, e o famoso bar do J.J., onde se concentra a noite do Petar. Lá você pode tomar o chamado ‘leite de onça’, bebida bem conhecida lá por aquelas bandas.
Na diária das pousadas normalmente está incluso o café da manhã e o jantar, sendo o almoço um lanche de trilha que pode ser encomendado na própria pousada.
Compras – Compras? No Petar? Tem certeza? Ok, se você faz questão, a loja de equipamentos de espeleologia e trilha que fica ao lado da Pousada da Diva deve satisfazer a vontade.

Cavernas – módulo diversão

Depois de um contato inicial com o mundo subterrâneo, respeitoso como todo início de relação costuma ser, chegou a hora de aumentar a intimidade com as cavernas…
Uma divertidíssima é a famosa Água Suja. Essa caverna tem um conduto principal que é basicamente todo inundado pelo rio que dá nome à caverna (e não, a água não é suja…). Portanto…todo o trajeto de 800m até o fundo da caverna é feito andando pelo meio do rio.

(foto do site www.ecocave.com.br)
Às vezes a água bate no joelho, mas tem momentos em que ela pode chegar até o peito. E quando termina esse conduto principal, é possível ver uma outra possibilidade: é o caminho da ligação desta caverna com uma outra chamada Dívida Externa (haja inspiração para batizar tantas cavernas… 🙄 ). É possível descer um rapel de 100m desta última para a Água Suja, mas é necessária uma autorização especial do parque.

(foto do site www.ecocave.com.br)
Paramos em um ponto onde o rio sai por uma pequena fenda na pedra….é ali que entraríamos. Lanterna na altura da cabeça, pois o espaço só dá para a cabeça e um pouco mais, a água no pescoço… (por isso a falta de fotos próprias: você fica molhado o tempo inteiro).

(foto do site www.ecocave.com.br)
E aí você pensa que acabou, certo?
Errado: na última câmara, podemos tomar banho nesta pequena cachoeira…

Não é demais? 😀
E ainda tem uma espécie de degrau, que vocês podem ver na parte inferior, onde você pode se sentar enquanto recebe uma massagem 😉
Outra caverna bacana é a Alambari de Baixo, que pode ser alcançada através de uma caminhada a partir da vila. (Atualização: seguem algumas fotos que chegaram hoje dos amigos que viajaram conosco.)


Esta é a entrada…

Ela é pequena, mas tem várias passagens divertidas, como essa…

…ou essa, onde você tem que literalmente se espremer num túnel para depois descer escorregando…

Gente, isso é um verdadeiro parque de diversões :mrgreen:
Depois de mais um trecho na caverna, chegamos à água, sempre presente…o caminho até a saída é todo dentro do rio, andando com água na altura do peito.

(fotos acima do site www.bioventura.com.br)
Nem preciso contar o nosso estado ao sair da caverna… 🙄
Outra caverna que visitei da primeira vez é a Laje Branca. Uma trilha linda e, chegando nela, um pórtico impressionante, com 130 metros de altura, onde o pessoal faz rapel.
Dentro, dá para ver que a caverna é do tipo desmoronamento e, descendo bastante, chegamos em um salão gigantesco, com chão de areia, onde dá para apagar a luz e curtir a escuridão e o silêncio…

(foto do site www.cavernapetar.com.br)
Uma amiga minha foi logo depois para o Petar e fez também a Travessia do Aborto, que comentei dois posts atrás. Ela achou bem interessante…
Ainda ficam outras para ver, como a Ouro Grosso, cheia de cachoeiras e de nível mais difícil, a Casa de Pedra…

(foto do site www.ecoviagem.com.br)
…com seu inacreditável pórtico de 210 metros de altura, um dos maiores do mundo (está proibida a entrada na caverna), e muitas outras no núcleo Caboclos, mais distante.
Sempre tem um motivo para voltar ao Petar 😀

Na trilha do Bethary

Estando no Petar, cavernas são o prato principal e, nesse segundo dia, não seria muito diferente: entraríamos em uma delas. Mas a maior parte do dia seria curtida ao ar livre.

Amanheceu um belo dia e seguimos para a sede do parque para iniciar a trilha do rio Bethary, que segue subindo o rio por uns quatro quilômetros, até ser limitada por duas cachoeiras.

O caminho é praticamente todo percorrido por trilhas laterais ao rio, mas o divertido é que os lados se alternam, portanto…atravessa-se o rio muitas vezes, refrescando as pernas e os pés do calor da trilha 😀

A mata que envolve a trilha é maravilhosa, como só a mata atlântica sabe ser: flores por todos os lados…

…incluindo muitas e muitas bromélias…

…e os caetês, atraindo os olhares no meio do verde.

Às vezes, quando a trilha segue por um patamar alto em relação ao rio, dá para ver algumas piscinas naturais. Que vontade de parar em cada uma delas…

É um passeio delicioso, não muito puxado, sempre com a visão do rio e o barulho dos pássaros, e muitas flores, sempre.

Como se ainda não bastasse, ainda tínhamos as cachoeiras no final do caminho. A primeira é a das Andorinhas, com 35 metros, com entrada por um pequeno cânion.

Gente, que água gelada…mas depois que você se acostuma é uma delícia. O toque esquisito fica por conta do visual biquíni + tênis 🙄 , sempre usado para evitar escorregar nas pedras sem fim.
A segunda cachoeira, separada poucos metros da primeira, é a do Betarizinho, com 45 metros, linda demais.

Ela tem vários poços para banho e a sua vantagem é que bate sol em alguns pontos, o que ajuda no relaxamento 😀

Maravilha…um lanchinho e todos prontos para voltar. Ainda tínhamos uma caverna pela frente! Mas essa fica para um próximo post…

Cavernas – curso básico

A caverna mais conhecida do Petar é a Santana. Além de muito bonita, ela é também frágil e por isso o parque coloca um limite de visitação diário de 100 pessoas.

É a caverna com as formações (ou espeleotemas) mais curiosas e delicadas…é nela que fica o famoso salão Taqueupa, cheio de cristais. Infelizmente o equilíbrio deste salão é tão frágil que o seu acesso é somente aberto para pesquisadores.
Mas ela tem muitas outras formações interessantes, como o anjo, o cavalo, a pata de elefante…

…o bacon…

…a cascata de estrelas (é bem mais brilhante ao vivo).

E muitas outras, como colunas (encontros de estalactites e estalagmites), à esquerda, e travertinos, na foto da direita.

A Santana é enorme, mas o circuito aberto à visitação leva cerca de 2 horas para ser percorrido. É bem tranqüilo, com algumas escadas e corrimões de madeira, poucos lugares estreitos.

É a caverna mais ornamentada…fora que em alguns trechos você anda por essas passarelas sobre a água cristalina, uma sensação fabulosa.

É uma caverna de fácil acesso e, infelizmente, depois de depredações, resolveram colocar uma grade na boca de entrada.

Depois de um relax na beira do rio, seguimos o nosso circuito: ainda temos duas cavernas para visitar, bem próximas da sede. A próxima é a Morro Preto.
É uma caverna resultado de desmoronamento: salões enormes, o caminho todo é percorrido escalando e descendo pedras enormes…um dos seus pontos fortes é sua boca, muito grande:

Como possui muita luz na sua entrada, algumas estalactites são cobertas de plantas, muito fotogênicas…

Um dos lugares mais interessantes é o salão principal, visto de um mirante interno: orquestras já tocaram ali, em vários aniversários do parque. Já imaginaram que maravilha? Pena que com a minha câmera não deu para tirar fotos do interior, o flash não servia para nada…

Abaixo dela tem a caverna do Couto, que exploramos em seguida. Existe uma conexão entre elas, chamada Travessia do Aborto (que nome… 🙄 ). Por umas três horas você se espreme entre espaços minúsculos, como uma minhoca de capacete. Não, obrigada…achamos melhor voltar e seguir pela entrada normal, mesmo.
A caverna do Couto é outra bem sossegada…ela tem um conduto só, atravessada por um pequeno riozinho, uma entrada e uma saída. Fácil, fácil.

Uns quarenta e cinco minutos e você está do outro lado. Bela saída, não?

E pra dizer que não vimos morcegos, bagres cegos, etc. e etc., aqui está um belo sapo cavernícola.

Uma coisa bacana sobre essa caverna é que a saída fica um pouco distante da sede, o que nos faz voltar por uma trilha bonita, que termina na cachoeira do Couto.

Um banhinho e estamos novos em folha!

Virando morcego

A primeira vez que eu estive no Petar foi em 2001, com um grupo de amigos. Ninguém tinha muita idéia do que encontrar, mas o fato é que nos divertimos tanto, que aquela viagem foi a primeira de muitas outras que se seguiram no estilo eco. Um mês depois estaríamos na Ilha Grande, mais outro mês e descobriríamos a Chapada Diamantina…
Quanto a mim, já tinha feito algumas trilhinhas, mas nada que comparasse a percorrer a mata atlântica naquele trecho intocado. Me lembro bem da trilha para a caverna Laje Branca: aquela mata fechada, cheia de samambaias e bromélias e a luz do sol sendo filtrada pelas árvores…fiquei besta com tanta beleza e a esse momento dei o nome de ‘êxtase místico’ 😆 Essa expressão seria usada muitas outras vezes depois…

Bem, mas vamos ao que interessa: o que é o Petar? A sigla significa Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira e ele ocupa uma grande área de mata atlântica, muito pouco explorada e bem preservada, no Vale do Ribeira, extremo sul do Estado de São Paulo.

(mapa do site www.pick-upau.org.br
O parque é pouco conhecido, mas ele possui algo extraordinário: um conjunto de cerca de 300 cavernas, um dos maiores do Brasil.

É o paraíso dos espeleólogos…eles têm acesso a cavernas com pórticos de entrada imensos, com os maiores abismos internos, condutos mais apertados, enfim: um lugar fantástico para pesquisas.
Nós, turistas, temos acesso a uma pequena parcela destas cavernas, as de acesso mais fácil, mas dá para se divertir muito com elas (mesmo porque as cavernas mais difíceis exigem domínio técnico e muita coragem).

Mas o Petar não é só feito de cavernas…o parque é cortado pelo vale do Rio Bethary…

…que oferece várias cachoeiras…
 
… e muitas trilhas ao longo do rio.

O parque é dividido em 4 núcleos: Santana, Ouro Grosso, Casa de Pedra e Caboclos. Os dois primeiros ficam na parte de acesso mais fácil do parque, na estrada de terra que vai de Iporanga a Apiaí. No meio do caminho está o bairro de Serra, onde fica a maioria das pousadas e também onde nós ficamos.
Venham explorar o mundo subterrâneo comigo…

javaversion1 Warning: passthru() has been disabled for security reasons in /home/aturistaacidental.com.br/public/wp-content/themes/simplepress-2/footer.php on line 3 Call Stack: 0.0002 239320 1. {main}() /home/aturistaacidental.com.br/public/index.php:0 0.0003 242712 2. require('/home/aturistaacidental.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/aturistaacidental.com.br/public/index.php:17 0.3158 29428480 3. require_once('/home/aturistaacidental.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/aturistaacidental.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3179 29452728 4. include('/home/aturistaacidental.com.br/public/wp-content/themes/simplepress-2/index.php') /home/aturistaacidental.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:74 0.5172 29988984 5. get_footer() /home/aturistaacidental.com.br/public/wp-content/themes/simplepress-2/index.php:32 0.5172 29989616 6. locate_template() /home/aturistaacidental.com.br/public/wp-includes/general-template.php:76 0.5173 29989816 7. load_template() /home/aturistaacidental.com.br/public/wp-includes/template.php:647 0.5175 30006360 8. require_once('/home/aturistaacidental.com.br/public/wp-content/themes/simplepress-2/footer.php') /home/aturistaacidental.com.br/public/wp-includes/template.php:688 0.5175 30006648 9. passthru() /home/aturistaacidental.com.br/public/wp-content/themes/simplepress-2/footer.php:3