Serra da Mantiqueira

Mantiqueira Lado B


Fazer um post sobre curtir a serra bem no final do inverno? É, eu sou um pouco do contra…o friozinho pode ser delicioso para um relax nas alturas, mas os hotéis lotados e caros me fazem perder a vontade. Passada a loucura da temporada, as cidades da Mantiqueira ficam mais calmas e bonitas também: na primavera as hortênsias florecem, no verão dá até para arriscar um banho de rio ou cachoeira e no outono as folhas amareladas ficam lindas na paisagem.
E foi justamente no finalzinho do verão, começo de outono que nós resolvemos aproveitar um feriado para descansar na serra. A idéia era conhecer algum lugar novo, fora do roteiro mais tradicional…tinha algumas idéias há algum tempo e tiramos uma delas da manga: Passa Quatro, em Minas.
A cidade fica a 250 km de São Paulo, vindo pela Via Dutra e subindo a serra por Cachoeira Paulista e Cruzeiro. É uma típica cidade de interior, tranqüila, cheia de jardins e construções de estilo eclético, do começo do séc. XX. A nossa pousada, a Maria Manhã, fica afastada do centro, num vale em plena zona rural.

São poucos chalés espalhados por um jardim muito bem cuidado, em estilo rústico e muito confortáveis: novinhos, com camas grandes, lareira e vista, além de uma varanda muito convidativa, com rede. Eu sou uma mulher de vistas: este é sempre um dos fatores que eu mais levo em conta ao procurar um hotel 😀
Bem no meio de uma época de trabalho louco, tudo o que eu queria neste primeiro dia era descansar e foi exatamente isso o que fizemos: dormir até tarde, ler na rede, tomar sol e nadar…

À tarde preferimos ver a linda região ao redor da pousada a cavalo…Típica paisagem do interior de Minas: relevo de sobes e desces, riozinhos correndo no meio de taboas, vaquinhas pastando no morro, cerquinhas tortas e flores de São João. Ah, eu adoro isso 😉

No dia seguinte demos uma folguinha para a preguiça e fomos até a cachoeira da Gomeira…


…que é muito bonita, mas não perde nada para as paisagens por onde passamos para chegar até ela.


Voltamos para a cidade para almoçar e nos encontrar com a guia que iria nos mostrar o caminho para as corredeiras do Rio Verde, mas ela e o grupo se atrasaram no almoço e…nos perdemos dela. Queríamos uma ajuda nos caminhos e também caso tivéssemos problemas nas estradas de terra, mas resolvemos seguir em frente mesmo assim.
Bem, até conseguimos chegar ao ponto certo da estrada, mas quem diz que havia placas para indicar a trilha? Até tentamos, mas o paredão de descida era imenso, incompatível com os meus joelhos fora de forma. Pena, parecia um lugar lindíssimo, com várias piscinas naturais…mas a paisagem vista da estrada não decepciona: carneirinhos e quedas d’água, quer paisagem mais bucólica? :mrgreen:





Aproveitamos o final da tarde para passar pelo Floresta Nacional de Passa Quatro, uma bonita área de preservação com cachoeiras e lagos. E…de volta para a pousada onde assistimos, da nossa varanda, uma tempestade de raios que durou mais de meia hora, iluminando as montanhas já escuras. Varanda de onde se podia ver também um lindo amanhecer…

No nosso último dia deixamos a pousada e fomos para o centro de Passa Quatro, mais especificamente para a estação ferroviária. Infelizmente não é mais possível chegar até a cidade com o trem, mas ainda existe um pequeno trecho turístico operado pela ABPF – Associação Brasileira de Preservação Ferroviária, criada há 30 anos pelo meu sogro para preservar um pouco da história ferroviária do país.

Esse é apenas um dos trechos que a ABPF recuperou e colocou em operação locomotivas maria-fumaça restauradas nas suas oficinas: ainda há o percurso Anhumas-Jaguariúna, talvez o mais conhecido, um trechinho no Memorial do Imigrante, em São Paulo, entre outros. Este passeio que fizemos é conhecido também como Trem da Serra da Mantiqueira, saindo da estação de Passa Quatro, passando pela estação Manacá e tendo como ponto final a estação Coronel Fulgêncio.

Além da própria locomotiva e carros de passageiros restaurados, da paisagem pelo caminho…


…um dos grandes atrativos do passeio é o seu conteúdo histórico: o trem pára um pouco antes do Túnel da Mantiqueira, inaugurado no final do séc. XIX por D. Pedro II, na divisa entre os Estados de São Paulo e Minas Gerais. Ele foi cenário de combates agressivos da Revolução Constitucionalista de 32 (uma das frentes mais importantes foi o Vale do Paraíba), justamente por contrapor: de um lado os paulistas, constitucionalistas e do outro as tropas federais.

A antiga estação, ponto crucial de confrontos, está sendo restaurada e ainda hoje podem ser encontrados vestígios de trincheiras e balas, resultado dos acontecimentos da época.
Outro projeto é a recuperação de uma locomotiva mais forte que possa vencer o declive do túnel e voltar: o passeio então será feito até o outro lado da serra, com a visão do vale, já no Estado de São Paulo.

Muito bom saber que mais trechos ferroviários estão sendo recuperados, como o recente Ouro Preto – Mariana, que teve a ajuda das oficinas de restauração da ABPF. Acho que o Patrick ficaria contente com mais este pedacinho da história ferroviária trazido de volta à vida.
E de volta a Passa Quatro…A idéia era fotografar a linda estação e os casarões da cidade, mas a chuva deu as caras e não parecia querer ir embora. As fotos e o almoço em Itamonte, no Hotel São Gotardo, ficaram para a próxima…

_______
Outras viagens…

Para aqueles com espírito aventureiro (e com excelente condicionamento físico), ficam duas sugestões de travessias cuja base para subida é Passa Quatro:
– Travessia Marins-Itaguaré: um trekking/escalada de três dias passando por estes dois picos – seu ponto mais alto tem uma visão abrangente do Vale do Paraíba e regiões montanhosas próximas, como o Parque de Itatiaia.
– Travessia da Serra Fina: considerado um dos trekkings mais difíceis no Brasil, com duração média de 4 dias de caminhada, tem como uma das principais atrações a subida da Pedra da Mina, 4º maior pico do país.

20 Comments

  1. Riq

    Emília querida!
    Queria ser o primeiríssimo a te dar os parabéns atrasados!
    Feliz aniversáááááááário!
    E olha só — que lindo que tá o teu blog! Quando eu voltar eu vou dar um jeitinho de reiniciar a ronda dos blogs da comunidade. Tô perdendo muita coisa boa!
    Beijíssimos!

  2. Ernesto

    O Pato Tour já fez esta viagem, e adorou as dicas da Emilia.
    Recomendo também a pousada! Uaa dica economica do Pato, e para quem vem na sexta feira, e quiser apenas se hospedar, pode s ehospedar uma noite na Cidade de Cruzeiro, com boas opções de Hotel e de comidas.

  3. Emília

    Riq! Que honra ter você por aqui…e obrigada pelo parabéns! (que sempre é bacana receber, atrasado ou na hora 😀 )
    E que gostoso receber elogios 😳 Obrigadinha! Nós é que estamos de olhos grudados na sua epopéia e que deve render mais posts, que bom!
    Fiquei feliz que vocês gostaram da indicação, Ernesto! Nós achamos o lugar ótimo para um bom descanso e a região é muito bonita. Eu sou suspeita, aliás, adoro a serra e aquele mar de morros…

  4. DuDu

    Ola, tenho um blogs sobre turismo e gostaria de estabelecer uma parceria com o seu!, topa?

  5. Mô Gribel

    Emília, querida!
    Mil desculpas mil vezes! Eu sou péssima para aniversários, quando não me lembro antes, lembro depois… 🙁
    Ahhh eu adoro P4…vc já sabe! 😀

  6. Emília

    Oi, Dudu, vou dar uma olhada no seu site!
    Mô, não esquenta a cabeça…parabéns são sempre bem-vindos :mrgreen:
    E você já é íntima de P4, não? 😛

  7. Sylvia Lemos

    Emilia , estou procurando Jeri por aqui e não encontro..
    Podes me dar uma pista ?

  8. Emília

    Ih, Sylvia, ainda não fiz Jeri, não. Está na minha lista de próximas séries, junto com Noronha. Alguma informação específica?

  9. Majô

    Emília,
    Que linda é Passa Quatro, lembro quando você fez a viagem. Também adoro o verde para restaurar energias 😉
    Adorei saber que seu sogro tem ligação com trens 🙂

  10. Emília

    Majô, ele realmente era apaixonado por trens e são muitas as histórias de luta deles para conseguir material que iria virar sucata, especialmente no início…
    O pessoal da ABPF até hoje se lembra muito dele…No ano passado foi lançado um livro lindo homenageando os 30 anos da associação e tem várias histórias dele. Já que não o conheci pessoalmente, pelo menos pela sua história…

  11. Sylvia Lemos

    Emilia , sabes como é .. tooodas as info são específicas e fundamentais para os obsecados 🙂 🙂

  12. Emília

    Vamos lá, Sylvia 😀
    – Nós estivemos lá na semana entre Natal e Ano Novo de 2006 para 2007. Fomos com milhagem e reservamos hotel à parte. Foi difícil conseguir um com preço razoável para o Reveillon (só pudemos fazer a reserva com três meses de antecedência por causa da mudança nas regras da milhagem da TAM). Dormimos uma noite em Fortaleza e seguimos cedinho de ônibus para Jeri.
    – Ficamos na pousada Blue Jeri, que para nós foi ótima: nos deram um dos maiores quartos, é novinha, bem localizada e com uma jacuzzi no último andar com uma vista incrível da praia e da duna. O atendimento foi atencioso, mas os pontos fracos são a falta de uma área social e a área do café da manhã que é acanhada. Mas faço a mesma ressalva que fiz para a Carla: o Riq achou o atendimento displicente e não teve uma boa experiência. Seria interessante ver outras indicações, ele recomenda a Ibirapuera.
    – Passeios: adoramos o passeio de bugue até Tatajuba e até as Lagoas, passando pela praia do Preá. O único problema é que nesta época as lagoas estão no seu ponto mais baixo e tira um pouco da beleza. Reservamos na central de bugueiros na rua principal. Na praia de Jeri mesmo, o nosso ponto preferido foi o Clube dos Ventos: música gostosa, dá para pedir bebidinhas e almoçar, boas espreguiçadeiras. E o ponto de entrar na água era o melhor, na minha opinião.
    – Comida: adorei a comida do Chocolate, do Carcará, de um restaurante italiano que ficava no prédio da pousada (ceia de Reveillon inesquecível de tanta comida boa e farta). O Leonardo da Vinci nos salvou numa noite de espera infinita na pizzaria Nômade.
    Ufa, acho que é isso, em termos gerais. Numa próxima vez, eu iria mais no meio do ano para pegar as lagoas cheias. Quando você está pensando em ir?

  13. Sylvia Lemos

    Nooossa Emilia , quantas dicas ótimas ! Estamos pensando em ir por agora .. acho que mais para o fim de outubro .
    Quero usar milhas antes que desapareçam , mas é uma viagem longa prá xuxu saindo de Poa .. Imagina que levamos 8 horas para sair de casa e chegar no hotel no Rio ( tanto na ida como na volta ), e Jeri então .. são dois dias para ir e dois para voltar , e tem que ficar no minimo 4 noites em Jeri prá valer a pena , né ? Estava pensando em dormir a última noite em Jijoca , tres em Jeri, uma em Jijoca e duas em Fortaleza ( uma na ida e outra na volta ) . O que achas ?

  14. Majô

    Emília, já estou comovida com a história. Vocês certamente têm orgulho do legado dele, isso é que fica 😉
    Beijos

  15. Emília

    Nossa, tá pertinho, que delícia!
    Sylvia, se não fosse época de Reveillon e ter que fechar o hotel em Jeri num pacote, acho que eu teria dividido um pouco do tempo com Jijoca também, o Riq fala muito bem da Pousada do Paolo na beira da Lagoa. E não dá para ficar mais uma noitinha em Jeri, não? 😉
    Majô, temos orgulho mesmo, era um homem muito querido…Todos falam que era extremamente gentil e cheio de energia, adorava viajar, especialmente para lugares mais exóticos e de natureza. Assim como era meu pai também…Sempre brinco que os dois devem estar lá em cima falando sobre viagens e dando risada de nós aqui embaixo…

  16. Majô

    Emília, quem sabe os dois não andaram soprando no ouvido de vocês sobre a próxima viagem ? 😉

  17. Camila

    Oi, Emília! Eu estou mais que atrasada, mas mesmo assim queria te dar os parabéns! É que estou de férias e fiquei uma semana sem chegar nem perto de um computador. A desculpa é aceitável, não? 😉 Muitas felicidades e muitas viagens pra você!!!
    E que ótimo voltar aqui e encontrar mais um post sobre MG. Como sempre, uma delícia!
    Beijos!

  18. Emília

    Majô 😀 Com certeza…eu acho que pelo menos o meu iria curtir muito essa viagem…
    Camila, parabéns são sempre mais que bem vindos! E muitas viagens para nós todos 😀
    Agora…conta aqui pra gente: viagem nova? 😉

  19. Camila

    Emília, passei uma semana em Arraial d’Ajuda e dei umas voltinhas por lá. Recuperei todas as minhas energias. 🙂 Agora estou na casa da minha mãe curtindo os últimos dias de férias. Semana que vem recomeço a contar sobre o Peru, já estou ficando enrolada… E você, vai mesmo para a Grécia?

  20. Emília

    Ai, Bahia, terrinha boa demais…É um lugar perfeito para recuperar as energias 😀 Vai relatar no blog depois do Peru?
    E estou indo sim! Na próxima semana 😀 Mas só vou estar na Grécia no dia 15, até lá vou estar na França vendo família e amigos.

Deixe uma resposta para Ernesto Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *