A primeira vez que eu estive no Petar foi em 2001, com um grupo de amigos. Ninguém tinha muita idéia do que encontrar, mas o fato é que nos divertimos tanto, que aquela viagem foi a primeira de muitas outras que se seguiram no estilo eco. Um mês depois estaríamos na Ilha Grande, mais outro mês e descobriríamos a Chapada Diamantina…
Quanto a mim, já tinha feito algumas trilhinhas, mas nada que comparasse a percorrer a mata atlântica naquele trecho intocado. Me lembro bem da trilha para a caverna Laje Branca: aquela mata fechada, cheia de samambaias e bromélias e a luz do sol sendo filtrada pelas árvores…fiquei besta com tanta beleza e a esse momento dei o nome de ‘êxtase místico’ 😆 Essa expressão seria usada muitas outras vezes depois…

Bem, mas vamos ao que interessa: o que é o Petar? A sigla significa Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira e ele ocupa uma grande área de mata atlântica, muito pouco explorada e bem preservada, no Vale do Ribeira, extremo sul do Estado de São Paulo.

(mapa do site www.pick-upau.org.br
O parque é pouco conhecido, mas ele possui algo extraordinário: um conjunto de cerca de 300 cavernas, um dos maiores do Brasil.

É o paraíso dos espeleólogos…eles têm acesso a cavernas com pórticos de entrada imensos, com os maiores abismos internos, condutos mais apertados, enfim: um lugar fantástico para pesquisas.
Nós, turistas, temos acesso a uma pequena parcela destas cavernas, as de acesso mais fácil, mas dá para se divertir muito com elas (mesmo porque as cavernas mais difíceis exigem domínio técnico e muita coragem).

Mas o Petar não é só feito de cavernas…o parque é cortado pelo vale do Rio Bethary…

…que oferece várias cachoeiras…
 
… e muitas trilhas ao longo do rio.

O parque é dividido em 4 núcleos: Santana, Ouro Grosso, Casa de Pedra e Caboclos. Os dois primeiros ficam na parte de acesso mais fácil do parque, na estrada de terra que vai de Iporanga a Apiaí. No meio do caminho está o bairro de Serra, onde fica a maioria das pousadas e também onde nós ficamos.
Venham explorar o mundo subterrâneo comigo…