Ilhabela

Trilogia Bo: parte final

No lado sul de Ilhabela existem uma pequena praia, fotogênica e isolada, com uma vilinha de pescadores: Bonete.


Pois é…juro que foi coincidência: mais uma ilha, mais uma vila de pescadores, mais um lugar começado em Bo… o que mais pode vir? Bocaina? Borborema? Bodrum? Bolívia? (essa não vale, mais um lugar Bo já visitado 🙄 )
Nós estivemos lá em 2005, mas foi uma visita de um dia só. Passamos uma tarde linda por lá, com direito a soneca debaixo dos chapéus-de-sol depois do cansaço da trilha, peixinhos fritos e cerveja. E o sol brilhava…ê beleza.
Aproveitamos ainda para fazer uma visita à Pousada Canto Bravo, da qual já tínhamos ouvido falar e rolava uma certa curiosidade. A pousada foi plenamente aprovada e uma visita, dessa vez para ficar, começou a ser planejada naquele dia mesmo.

Só que entre planejamento e realização existe uma certa distância e a nossa foi de quase dois anos: era só reservar e apareciam compromissos sociais, trabalho, tempo ruim, joelho machucado, quadril idem…e a reserva era desfeita.
Um dia (há mais ou menos um mês atrás), resolvemos: ou vai…ou vai! Desmarcaríamos os compromissos que aparecessem, não importaria o tempo. E partimos numa sexta cedinho para Ilhabela. Atravessamos a balsa e seguimos direto para o extremo sul da ilha, onde acaba o asfalto. Ali deixamos o carro (em um restaurante chamado Nova Iorqui, com “i” mesmo), colocamos a mochila e começamos a caminhada.
A trilha é apenas uma das duas maneiras para chegar ao Bonete: a outra é por mar, mas essa possibilidade depende das condições climáticas. Queríamos fazer de novo a trilha para ajudar a entrar no clima zen…além disso, barco era a nossa escolha para a volta.

De onde deixamos o carro até a praia são cerca de 15 km de trilha margeando a costa, percorridos dentro do Parque Estadual de Ilhabela, que preserva uma bela área de Mata Atlântica.
 
A paisagem é linda…no começo é possível ver (e ouvir) o mar batendo contra as pedras lá embaixo. Depois, a mata fica mais fechada e a idéia é curtir as árvores e flores, além dos pássaros no caminho. Dessa vez vimos um casal de tucanos cruzando a trilha bem na nossa frente e um pica-pau bem tranqüilo: ele percebeu nossa presença, mas continuou com o seu trabalho 🙂

Para melhorar,  passamos por duas lindas cachoeiras no caminho: a da Lage e a do Areado. 
 
Perfeitas para refrescar o corpo, comer alguma coisa e…recuperar o fôlego.

E o silêncio? Só os pássaros e o mar lá no fundo…Um pouco de silêncio é algo a que todos deveriam poder se dar ao luxo de vez em quando 😀
Só uma coisinha: a trilha é uma delícia, mas tem vários pontos de subida forte. Faça seus alongamentos, tome bastante água e faça uma parada estratégica de vez em quando…para observar a paisagem, claro :mrgreen:
Depois de umas quatro horas caminhando, aparece uma área aberta e você finalmente vê o seu ponto final:

Mais um pouquinho e você pode colocar os pés na areia 😀

26 Comments

  1. Diogo

    Que sacanaaaageem!!!! Quero muito fazer isso agora… e como eu fico numa situação dessas?
    Já tinha lido sobre Bonete e visto algumas fotinhos, mas nunca havia me aprofundado tanto nos detalhes como agora. Show, loucura, sonho!!!!
    Só essas 4 horinhas de caminhada que me deixou um pouco nervoso, mas enfim, faz parte do show né?
    Bjão,
    Diogo

  2. Ernesto

    Emilia
    Parabens pela nova reportagem do eco blog…

  3. Carmen

    Emília,
    Fotos muito lindas e você está fantástica sentada en la arena y la sombra del fotografo detrás (Marc???).
    ¡Bonete é um sonho!
    Estaba mirando otros destinos para volver a ir a Brasil. NO ME DES IDEAS!!! que voy…
    Beijos

  4. Beto

    Maravilha, Emília. Adoro a Ilha.

  5. Tony

    Muito lindo, Emília. Essa vista da praia do alto é de tirar o fólego.
    Pena que os borrachudos e eu não nos damos muito bem. Isto é, eles gostam muiiiiiiiiiiiito de mim, eu não gosto nem um pouco deles. Algum comentário sobre os danados?
    Abraço.

  6. Débora

    Menina, estou aqui mais uma vez, babando com as fotos!
    Preciso conhecer esse lugar, mas como o Tony disse no comentário anterior, eu tenho sérios problemas com os borrachudos de Ilhabela.
    bjs

  7. Emília

    É pessoal, o lugar é feio 😀
    Diogo, depois eu vou colocar umas fotinhas da pousada, é muito charmosa, bem casal mesmo, quem sabe vocês não se animam a fazer um esqueminha Rio-Santos? Já as fotos da praia…hmm…não ficaram tão boas porque não fez aquele sol. Peninha…
    Ernesto, cada vez mais o blog segue seu caminho eco 😀 E os próximos temas também não vão fugir muito também, não…tá difícil é escolher: as viagens ficam me pedindo para aparecer aqui no blog, algumas vão ter que esperar, paciência 😛
    Carmen, todas as idéias possíveis 😆
    Obrigada pelos elogios, mas na foto a sombra do fotógrafo não foi proposital, não 😳
    Beto, eu também adoro Ilhabela. E o acesso é tão fácil fora de feriados…nós saímos às 6:30 da manhã de SP e às 10h já estávamos na balsa, com direito a paradinha no meio do caminho. Acho que para vocês fica mais fácil ir de Rio-Santos direto, não?
    Tony e Débora, os borrachudos não dão sossego mesmo, não adianta nem reclamar. O pessoal da pousada indicou um repelente bem mais concentrado do que esses do mercado, um tal de Exposis, ‘usado pelo exército francês’ 🙄
    Ele ajudou bem, mas tem que passar regularmente, né? Às vezes eu ficava com preguiça de repassar e aí aparecia um picada ou outra. Mas desaparecem rápido, nada dos pernilongos ultravenenosos de Bonito (me deixaram marcas de várias semanas).
    PS: As fotos da praia vista do alto não são dessa viagem, são daquela vez em 2005. A luz não ajudou muito dessa vez…mas a vista é sempre inacreditável 😀

  8. Majô

    Emília, não conhecia é linda mesmo.
    E aquele picapau que gracinha 😉
    Como é bom mesmo poder ouvir o silêncio e o canto dos pássaros. 🙂

  9. Emília

    Majô, Ilhabela tem várias praias muito calmas, com casas de pescadores ou desertas. Os lados norte, sul e leste são de acesso difícil, normalmente por barco ou por trilha, e por isso ficam bem mais preservadas: além de Bonete, dá para ir até Enchovas e Indaiatuba, no Sul. No Norte tem Jabaquara e da Fome, essa última é uma belezinha de praia, pequena e deserta. No leste tem Castelhanos, que já é bem famosa (é linda, mas nunca dei sorte de pegar com tempo bom), e os sacos do Sombrio e do Eustáquio. Nunca fui a nenhum deles, mas dizem que são bons lugares para mergulho.
    Como se vê, com um pouco de disposição para andar ou pegar um barco, dá para conhecer praias lindas e tranqüilas, bem diferente das praias que dão para o continente, mais disputadas. É só ter paciência com os borrachudos, como já comentamos um pouco antes 😀

  10. Pois é, Emília, eu ia te perguntar a respeito dos borrachudos, mas você já respondeu…
    Fui uma única vez a Ilhabela – faz uns trocentos anos; eu devia ter uns 14 anos de idade. Me lembro que gostei bastante. Fomos até uma cachoeira – chamada cachoeira da Toca, se não me engano – onde o pessoal escorregava morro abaixo. Super legal! Tinha borrachudo pra danar e as pessoas passavam óleo de cozinha no corpo para espantá-los. Não adiantava nada! :mrgreen:

  11. Marcio

    Ahhhh! Ilha Bela que saudade!!! Adorei o post!

  12. Patsy

    Emilia, adorei o post e que fotinhos lindas!
    Ja estive em Ilha Bela, mas Bonete ainda nao… e essa caminhada deve ser uma delicia!! E a pousada afinal, eh boa? Vale a pena ir para ficar so em Bonete?

  13. Majô

    Emília,
    Veja só quantas praias desconhecidas !Como você diz o acesso mais difícil ajuda a preservação.
    Em Barra do Sahy havia também muitos mosquitos, muito perto da mata.
    Que bom você nos apresentar um pouco de Ilhabela 😉

  14. Emília

    Oi, meninos, obrigada pela visita!
    Zé, a primeira coisa que passa na cabeça de todo mundo quando pensa em Ilhabela são os borrachudos…e eles são realmente inconvenientes, para não falar outra coisa :mrgreen:
    Na última vez em que estive na Toca, e já deve fazer uns bons dez anos, já tinha essa coisa oleosa para passar, mas acho que era citronela…mas ela continua sendo o lugar na ilha com mais borrachudos por metro cúbico 🙄
    Patsy, a pousada é uma fofura, você vai ver no post que eu vou fazer sobre ela. E vou falar sobre Bonete e arredores neste próximo post também.
    Um beijo!

  15. Emília

    Majô!
    Não só Ilhabela, mas a Rio-Santos inteira tem essas belezinhas pra curtir…eu sou suspeita para falar, pois adoro a paisagem toda. A Mari está falando sobre Ubatuba num dos últimos posts dela. Uma bela viagem para fazer com calma.
    Já os mosquitos…são o pedágio a se pagar para curtir a beleza e a tranqüilidade de muitos lugares. Sorte que eu não sou mais tão alérgica…

  16. Arthur

    É, dá para passar uma vida inteira só viajando pelo Brasil e não se verá nem 30% de tudo…

  17. Emília

    Arthur, tem hora que eu fico um pouco desesperada com tanto lugar lindo para ver…mas aí eu fico contente porque sei que não vou ficar entediada tão cedo 😀
    Aliás, só ao redor de você, num raio de uns 150km, tem lugar bonito pra visitar que não acaba mais…

  18. GiraMundo com Jorge Bernardes

    Ilhabela é o ponto mais interessante do litoral de SP. Eu achei este post sensacional. Essa é a viagem que você fez que me deu mais vontade de fazer. Essa trilha é pesada, mas duvido que chegue perto das trilhas da Chapada Diamantina… Que linda a vista da praia.
    Adoro “praia própria”. Assim como vocês fizeram, chegar e ter a praia só pra vocês. Que privilégio. Lindo lugar. Que bom saber que temos alguns lugares assim tão especiais e próximos de casa. Ilhabela é o máximo.
    Agora em Julho, fomos com a Clara, mas lógico, não pudemos ir ao Bonete, o máximo que conseguimos foi uma esticada à Jabaquara que também é linda e muito mais acessível…

  19. Emília

    Jorge, Ilhabela é um ponto difícil mesmo de bater: vários tipos de praia, quase todas muito bonitas, boas opções gastronômicas e de hospedagem e aquele fim de tarde com águas douradas no canal…ai, ai. E ainda praias quase desertas! É um privilégio, de verdade.
    Realmente não dá para ir com crianças para o Bonete, mas os próprios donos da pousada levam seus filhos pequenos para lá (um deles com um ano e meio). O esquema do barco é bem interessante.
    E que bom que você foi a Jabaquara, é uma das minhas favoritas também! Dá para chegar lá de carro, tem alguma estrutura para a questão de comida (fundamental quando se está com crianças), uma belezinha de praia.
    PS: Não sei se saberia mais comparar as trilhas…já faz seis anos que estive na Chapada e estou me recuperando de um período sem muita atividade física. Achei um pouco cansativa, mas acho que as da Chapada realmente superam (especialmente pela falta de cobertura vegetal, o que poderia diminuir um pouco o calor.)
    Obrigada pela visita no bloguinho!

  20. Flavia Penido

    Emilia:
    Tô louca pra ir pro Bonete, sou capaz de ir esse ano ainda!
    Mas me responde uma coisa: quanto tempo de trilha? e se eu estiver com poucos dias, rola ir e voltar de barco? quanto tempo é de travessia?
    Beijos e parabéns, a matéria é de dar água na boca…

  21. Flavia Penido

    Ah! Já vi – 15km. Quanto tempo demorou, com as paradas e tudo? porque para um fim de semana fica apertado né? Precisa de uns 3 dias pelo menos…

  22. Emília

    Oi, Flavia!
    Realmente, tem que reservar pelo menos uns três dias: só de trilha, na ida, foram cinco horas, com paradinhas nas duas cachoeiras do caminho.
    Nossa idéia era ir de trilha e voltar de barco, e deu certo. Mas eles deixam bem claro que a volta por barco depende totalmente das condições do mar e que você tem que se preparar psicologicamente para ter que voltar por trilha 🙄
    A volta de barco é rápida: se for de lanchinha, leva de 30 a 40 minutos e de canoa tradicional, cerca de uma hora.
    O lugar é uma delícia para fugir um pouco da vida louca, vale a pena matar um dia e planejar.
    Beijo!

  23. henrique

    gata adorei as fotos que vc fez sou local la e adorei saber que gostou do meu lugarzinho querido parabens vc sera sempre bem vinda bjos ah e por coincidencia a canoa da foto é a do meu avo

  24. Emília

    Henrique, como não gostar desse lugar? 😀
    Quero voltar mais vezes, sim, sempre que o tempo (e o corpo) permitir…
    Um abraço!

  25. Flora

    Oi Emilia,
    To adorando estes seus primeiros posts sobre lugares eco do Brasil. Esta sua trilogia está na minha listinha há muito tempo.
    Uma curiosidade: voce colocou Borborema neste post. Qual delas voce queria vizitar, a serra da Borborema no nordeste, ou a cidadezinha do interior do estado de São Paulo onde eu nasci?
    Beijão,
    Flora

  26. Emília

    Oi, Flora!
    Na verdade eu tinha pensado na serra de Borborema, não conhecia a do interior de São Paulo, tua terra natal. Mas está valendo 😉
    Quanto aos destinos, recomendo muito Bonito e Boipeba. Já Bonete…não deve ser do agrado de todos: tem acesso complicado e muitos borrachudos. Mas é linda!
    Um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *