No nosso quarto dia em Bonito resolvemos fazer algo diferente das flutuações e cavernas. Mas, considerando onde estávamos, não havia como escapar da água: seguimos para as Cachoeiras do Rio do Peixe, um lugar mais conhecido como a fazenda do seu Moacir.

Este passeio tinha sido bem recomendado pela quantidade de bichos que andam por lá, pela hospitalidade e pela ótima comida (não necessariamente nesta ordem 😉 ).
Quando chegamos na fazenda, já pudemos ver o seu Moacir recepcionando os visitantes do dia, no meio de suas araras ensinadas. Sim…elas abrem a torneira para se refrescar e não se incomodam com o toque dos visitantes. É uma bela visão ver tantas araras juntas: canindés, azuis, vermelhas…

Outras figurinhas que aparecem de mansinho são essas aqui: macacos-prego. Uma família inteira…

Seu Moacir adora contar ‘causos’ e histórias da fazenda e dos bichos. Depois de um bom bate-papo e canjica para dar energia, é hora de caminhar. Seguimos pela trilha margeando o rio Olaria e vendo algumas quedas aqui e ali.

Vamos até o ponto mais distante da trilha, onde o rio do Peixe nasce, dentro de uma gruta, e deságua num poço profundo. Há ali um trampolim para cair na água, com cerca de cinco metros de altura. Foi ali mesmo que pulamos.

Brrr…já dentro da água, estava em iminência de congelamento. Mas o ambiente todo era muito interessante e bonito para me preocupar com uma água fria qualquer. Quando temos oportunidade de ver um rio nascendo daquele jeito? Aproveitei para entrar na gruta e ver os salões, não sem uma certa dificuldade, já que a passagem era estreita. É possível ouvir o fluxo do rio dentro da terra. Fantástico.
A partir do poço, é só seguir nadando pelo rio, que desce através de vários desníveis.

Tudo é muito inspirador. Muita água e limpíssima, o sol batendo, as flores vermelhas que aparecem em todos os cantos, os sapinhos na beira do rio…


E o passeio continuou, com paradas para curtir outras cachoeiras…

 
…e os pássaros.
 
Depois de um tempo relaxando ao sol e nadando no último trecho do rio Olaria, já próximo da sede, estava na hora do almoço. Aliás, o melhor almoço de todos os passeios que fizemos: a esposa do seu Moacir coordena o fogão a lenha e ele próprio assa as carnes e lingüiças caseiras.
Quase todos morremos de tanto comer. A comida é deliciosa, sem contar a mesa de doces caseiros, com uns dez tipos à disposição dos glutões.
E depois…soneca no redário, com direito ao sonzinho do rio correndo ao lado.

Antes de visitar as outras cachoeiras, seu Moacir se aproxima com bananas: é hora de alimentar os macacos. A garotada fica quietinha, com as bananas nas mãos…esperando. Os macacos se aproximam, com todo o cuidado, e de repente pegam a fruta e saem correndo.
 

Eu não sabia do que eu ria mais: dos macacos ou da garotada rindo dos macacos 😀
Como era baixa temporada, havia poucas pessoas fazendo passeios independentes. Acabamos, então, sempre encontrando as mesmas duas ou três famílias nos passeios, com seus filhos. Pudemos observar os pequenos em todos e este é mais um dos passeios em que as crianças se viraram muito bem, o tempo inteiro se divertindo, sem problemas.
Acabamos colocando o pé na trilha de novo, mas, desanimados pelo frio da água (nem vou comentar o almoço e a rede), acabamos no esquema contemplação.

Estávamos moídos, mas contentes 🙂